Logo da OAPAZ
Login de Acesso
Se ainda não é cadastrado para acessar informações OAPAZ, clique em REGISTRAR-SE aqui abaixo. Se já é cadastrado, digite o seu





Obrigado por se cadastrar conosco.

Entrar
Registrar-se

Contador de Visitas
Você é nosso visitante nº262769

PostHeaderIcon Confira trechos de entrevista concedida à Gazeta do Povo pelo Dr. Maurício Gomm Santos, especialista em arbitragem

Qual é o balanço que o sr. faz dos quase 14 anos de vigência da Lei de Arbitragem?

O balanço é muito positivo. No primeiro momento, havia rejeição, fruto do desconhecimento. Principalmente nos primeiros cinco anos, por causa de uma pendência no Supremo Tribunal Federal (STF), quando foi levantada a questão da inconstitucionalidade da lei. Em 2001, o STF decidiu pela completa constitucionalidade da lei e começou uma segunda fase, de mais uns 5 anos, de aprendizado. Já nos últimos cinco anos, vem se utilizando muito intensamente a arbitragem por aqui. Hoje, o Brasil é um dos países que mais têm usado a arbitragem. A nossa lei é avançada, assim como a qualidade da nossa arbitragem e das instituições arbitrais.

Em evento recente realizado em Curitiba, a ministra Nancy Andrighi, do STJ, reconheceu que ainda há uma resistência dos magistrados à arbitragem. O sr. também identifica essa resistência do Judiciário?

Acho que o Judiciário, sobretudo em contratos internacionais, tem demonstrado postura serena, pró-arbitral. Entendo que as palavras da ministra sejam mais relacionadas a contratos locais. De forma geral, o Judiciário brasileiro tem dado mostras para o mundo de valorização da arbitragem. Quando uma empresa se instala num país, quer segurança política, segurança econômica e segurança jurídica, que os contratos que vai firmar serão respeitados e que se colocar uma cláusula de arbitragem no contrato o Judiciário vai reconhecer a cláusula. E nosso Judiciário tem dado essa mostra.

O brasileiro recorre cada vez mais à Justiça, que, em contrapartida, é acusada de ser morosa. Essa cultura do litígio é um empecilho ao desenvolvimento da arbitragem no Brasil?

É importante deixar claro que o sistema arbitral e o Judiciário são parceiros de uma mesma missão: solucionar conflitos. O próprio sistema arbitral depende do Judiciário. Por exemplo, se uma das partes não respeita a cláusula arbitral, a outra vai ao Judiciário pedindo para que se exija a arbitragem. Enfim, sistema arbitral e judicial estão em sintonia. E essa cultura [litigiosa] está mudando um pouco. O brasileiro tem relação paradoxal com o Estado. Entendemos que o Estado é culpado por todos os males, mas esperamos do Estado a solução para tudo. A função da arbitragem não é solucionar o problema, mas ela surge como uma via alternativa.

Até por causa dessa relação de amor e ódio com o Judiciário, o leigo não entende que a sentença arbitral possa ser irrecorrível na Justiça. Quando a sentença do árbitro pode ser contestada no Judiciário?

A sentença arbitral é irrecorrível em relação ao mérito. Por exemplo, se há decisão arbitral que define que uma das partes deve pagar um determinado valor, não se pode recorrer quanto a isso. O que não significa dizer que essa sentença arbitral não possa ser anulada na Justiça, por algum vício de forma ou se o árbitro foi parcial, por exemplo. Nesse tipo de caso, o juiz pode anular a decisão, mas não modificá-la. Deverá haver uma nova arbitragem.

Com a Copa e a Olimpíada prestes a ocorrer no Brasil, a arbitragem deve ser incrementada no país?

Existe essa expectativa. Esses eventos devem incentivar muito a arbitragem no Brasil. Prin­cipalmente nas áreas de infraestrutura e construção civil, que devem aumentar bastante.

A arbitragem ainda não é muito conhecida pela população, pois é utilizada, em regra, em contratos entre empresas. Por que a arbitragem não é tão comum em contratos de consumo?

Normalmente, o habitat da arbitragem é o contrato empresarial. De fato, existe uma controvérsia nos contratos de consumo, porque os contratos de consumo, em regra, são de adesão [contratos em que o consumidor não participa da elaboração das cláusulas e tem de concordar com os termos pré-estabelecidos pela empresa]. E, para que a cláusula compromissória [que estabelece a arbitragem] valha nos contratos de adesão, ela deve estar em negrito e receber um visto específico.

Isso é para deixar claro para o consumidor que ele estará se submetendo à arbitragem. Há um dispositivo no Código de Defesa do Consumidor que diz que a convenção de arbitragem não deve prevalecer nas relações de consumo, mas o CDC é anterior à Lei de Arbitragem. Isso gera discussões. Não existe uma definição. Existe, sim, uma tendência a acolher a arbitragem também nas relações de consumo, pois traz vantagens aos consumidores, que têm os seus problemas resolvidos mais rapidamente, como já ocorre nos Estados Unidos, por exemplo.

Quem pode ser árbitro?

Pode ser árbitro qualquer pessoa que goze da confiança das partes. Essa é a beleza da arbitragem. Arbitragem é para quem sabe usar a liberdade com responsabilidade. Ao escolher o árbitro, pode-se escolher um especialista. É importante que o árbitro que tenha experiência, que pode ser obtida inclusive através de cursos. Mas os cursos não são condição para ser árbitro. Basta ter a confiança das partes contratantes.

Hoje também a Administração Pública pode se sujeitar à arbitragem, correto?

Sim. Também já gerou polêmica a possibilidade de a Administração Pública adotar a arbitragem, mas hoje existe jurisprudência entendo que pode e até leis específicas, como a das Parcerias Público Privadas, que estabelece a possibilidade de o Estado participar de arbitragens.

Fonte: http://www.gomm.com.br/brasil-e-um-dos-maiores-usuarios-da-arbitragem/

Artigos Relacionados:
Arbitragem imobiliária: grande demanda para o juiz arbitral e oportunidade para evangelizar
O setor de imóveis tem sido, a cada ano, um gerador de serviços para o tribunal arbitral, uma vez que também é um setor onde ocorrem muitos...
Brasil é um dos maiores usuários da arbitragem
Maurício Gomm Santos, especialista em arbitragem Hoje atuando como consultor em Direito Internacional nos Estados Unidos e professor da...
Comitê condecorado pelo Parlamento Mundial de Segurança e Paz
  Devido as suas atuações durante o ano de 2012 em favor da paz, da segurança e do social, o Comitê da Paz e o seu Presidente, Bispo João...
Presidente da Oapaz encerra a mobilização pelo fim da violência contra a mulher
Com palavras oficiais registradas em um vídeo, o presidente da Oapaz Pr. Weslei Fernandes, encerrou as 22:00 horas deste 10 de dezembro de 2015, a...
Amanhã termina a mobilização 16 Dias de Ativismo pelo fim da Violência Contra a Mulher
Veja no Facebook:https://www.facebook.com/Junte-se-a-nós-contra-a-violência-857769724256384/?ref=hl   Representando o segmento...
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Vídeos Oapaz

Vdeos_de_Aulas       

Assine nosso canal no Youtube e receba muitos vídeos nossos
Plataforma Digital OAPAZ

cadastro_plataforma_2

Quer se livrar de DÍVIDAS?
Seja Agente da OAPAZ
Procura-se_AP_-_reduz
lugcon
tricris